sábado, 10 de maio de 2014

DIA DAS MÃES


            Dia das mães


Pela poesia, faço minha homenagem àquelas que se reinventam cotidianamente, constroem e celebram o milagre da vida!
                                    selma vasconcelos    
                            








Delicada como pássara
abrigas no ninho das entranhas
tênue vegetal enredado
em teu caule nutridor

Na profundeza 
das usinas uterinas                            
fias o tecido repartido                                    
nos porões da eternidade

Alheia à  fúria das marés
ao caos oscilante do entardecer
à ameaça das noites
às geleiras dos verões

arquitetas a metamorfose
do musgo em barro transformado                    
instalas na nave primeva
novo passageiro das manhãs
                                                                
vestidos da  armadura rara
pelo sangue tecida
atravessam calmarias e tempestades      
na viagem secreta até à luz

Antes do eclodir da Primavera                    
inscrevem nas grutas  do coração
o definitivo pacto                        
da reinvenção da vida




Um comentário:

  1. Querida Selma, de agora em diante estou no seu pé. Seguindo o Blog. Abs.

    ResponderExcluir